Adalia bipunctada

Adalia bipunctada (Joaninha-de-duas-pintas)
Apesar do seu tamanho diminuto, cores atrativas e aparência doce e delicada, as joaninhas são predadores vorazes que ao longo da sua vida podem comer até 5000 pulgões. São, para além de protagonistas de canções, uma ajuda preciosa nas nossas hortas e jardins.
joaninha-de-duas-pintas, tal como o nome indica, pode ser facilmente identificada pela presença de duas pintas negras nos élitros (espécie de carapaça que recobre as asas nos coleópteros) vermelhos. Mas esta espécie apresenta grande variação morfológica, e para além da forma mais comum desta joaninha (vermelha com pintas negras), também podemos encontrar indivíduos todos negros com 4 ou até com 6 pintas vermelhas. Indivíduos melânicos, completamente negros, são mais raros.
Adalia bipunctata é uma das joaninhas mais comuns em Portugal, e também a que tem uma das maiores taxas de sucesso contra pulgões, conseguindo alimentar-se até 124 pulgões por dia!
Uma outra joaninha importante de referir é a joaninha arlequim, uma espécie invasora na Europa. Esta joaninha originária da Ásia foi introduzida na Europa para controlo biológico de plantações agrícolas, onde os produtores em vez de usarem espécies locais introduziram uma joaninha às quais as espécies locais não estavam adaptadas. No entanto, esta espécie é mais agressiva e canibalista que as espécies autóctones, e à falta de outro alimento esta joaninha alimenta-se dos ovos de outras espécies de joaninhas ou outros insetos que também se alimentam de pulgões. Para além de não ter uma maior capacidade de eliminar pulgões que outras espécies autóctones, os seus aglomerados têm vindo a provocar grandes gastos aos produtores agrícolas por estragar colheitas (por exemplo, de vinho).
Com ainda pouca expressão em Portugal, noutros países Europeus a joaninha arlequim em poucos anos já se conseguiu estabelecer. Descrita pela primeira vez na Suíça em 2004, neste país em apenas 15 anos é já a espécie de joaninha mais comum em muitos habitats! Este exemplo de espécie invasora é mais uma demonstração que a melhor maneira de lutarmos contra espécies invasoras é a prevenção!

Pretende saber mais informações, contacte-nos

  • (*) RGPD (REGULAMENTO GERAL SOBRE A PROTEÇÃO DE DADOS - EU 2016/679)
    Os dados pessoais aqui recolhidos, para efeito de envio de informações e (no caso dos sócios efetivos) quotização, serão guardados enquanto a relação de associado se mantiver. Se pretender que os dados sejam corrigidos, restringidos ou eliminados, deve contactar o FAPAS, via email, para fapas@fapas.pt, ou através de carta registada para a morada indicada no rodapé desta página.
  • Este campo é para efeitos de validação e deve ser mantido inalterado.