Gryllus campestris

– fêmea com três apêndices na zona terminal, macho apenas com dois
– vivem em tocas escavadas no solo
– estridulação nos machos feita com a asa direita sobre a esquerda

A espécie desta semana está no alinhamento dos melhores Festivais de Verão Europeus, e dada a sua extensa distribuição em Portugal é o participante mais frequente dos concertos dos nossos serões de Verão. O Gryllus campestris, ou grilo-do-campo, pode ser ouvido a partir de Março até Setembro (ou até mais tarde), e tem uma distribuição cosmopolita, podendo ser encontrado desde o Norte de África até a Ásia Ocidental. Em Portugal encontra-se tanto na região continental, como nos Açores.

Apresentam algum dimorfismo sexual, por exemplo os machos apresentam dois apêndices na zona terminal, enquanto que a fêmea apresenta três, sendo o extra o ovipositor, um órgão que lhe permite depositar os ovos. As fêmeas também não apresentam as asas modificadas que os machos usam na estridulação.

Porque as fêmeas não apresentam as asas modificadas, apenas os machos podem cantar, ou estridular. Quando chega a altura de reprodução, enquanto as fêmeas (exemplar ilustrado aqui) vagueiam em busca de um macho saudável e fértil, os machos apregoam a sua qualidade corporal e vigor cantando desde a entrada das suas tocas. Para estridular, os grilos machos usam as suas asas modificadas levantando-as e esfregando uma contra a outra. Em geral, têm duas canções no seu reportório, uma com som mais alto e com uma frequência mais longa, e outra menos potente e de mais rápida frequência. Como podemos ver, os machos do grilo-do-campo não só são bons músicos, como também mostram uma grande versatilidade no seu espetáculo. Já que esta espécie se reproduz apenas uma vez por ano, as suas serenatas têm mesmo de valer a pena 😉

Enquanto nos preparamos para desconfinar, apreciem estes concertos naturais e tentem identificar os diferentes sons que vêm do meio das ervas. Qual será o músico com maior alcance “vocal”? E qual o que apresenta mais canções?

Para a semana voltaremos com outra espécie. Até lá, protejam-se!

Pretende saber mais informações, contacte-nos

  • (*) RGPD (REGULAMENTO GERAL SOBRE A PROTEÇÃO DE DADOS - EU 2016/679)
    Os dados pessoais aqui recolhidos, para efeito de envio de informações e (no caso dos sócios efetivos) quotização, serão guardados enquanto a relação de associado se mantiver. Se pretender que os dados sejam corrigidos, restringidos ou eliminados, deve contactar o FAPAS, via email, para fapas@fapas.pt, ou através de carta registada para a morada indicada no rodapé desta página.
  • Este campo é para efeitos de validação e deve ser mantido inalterado.