Iris oratoria

– caçadores de emboscada
– acastanhados quando jovens, verde na maturidade
– canibalismo durante copulação

Iris oratoria é uma das espécies de louva-deus presentes em Portugal e é uma voraz predadora de outros insetos. Tal como outras espécies de louva-deus, as fêmeas desta espécie podem alimentar-se do macho durante a copulação, apesar deste comportamento ter sido registado apenas 1 em 4 e normalmente em situações de falta de alimento. De cor acastanhada quando jovens, vão se tornando cada vez mais verdes na maturação.

As fêmeas são maiores que os machos, e distinguem-se também pelo menor tamanho das coloridas asas (que nos machos se prolongam até à extremidade do corpo). Quando se encontram em situações de perigo apresentam o comportamento deimático que vemos na ilustração, um comportamento que serve para avisar ou simular um ataque, e para tal esticam as patas da frente acima da cabeça, e abrem as asas mostrando os ocelos coloridos. Ao contrário de crenças populares, esta postura não é uma referência a uma famosa canção das Bangles (“Walk like an Egyptian”), mas certamente encaixava na coreografia.

Em Portugal há 9 espécies de louva-deus, sendo a mais comum a Mantis religiosa (um pouco maior que a Iris oratoria). Caçam de emboscada, camuflando-se no meio dos ramos das plantas e esperando a melhor oportunidade para apanhar as presas. Quando prontas, saltam e apanham rapidamente as presas, num movimento repentino e que contrasta com o movimento lento (como se fosse um ramo ao sabor do vento) enquanto procuram e esperam pelas presas. São, tal como as joaninhas, usadas como espécies auxiliares para controlo biológico.

Pretende saber mais informações, contacte-nos

  • (*) RGPD (REGULAMENTO GERAL SOBRE A PROTEÇÃO DE DADOS - EU 2016/679)
    Os dados pessoais aqui recolhidos, para efeito de envio de informações e (no caso dos sócios efetivos) quotização, serão guardados enquanto a relação de associado se mantiver. Se pretender que os dados sejam corrigidos, restringidos ou eliminados, deve contactar o FAPAS, via email, para fapas@fapas.pt, ou através de carta registada para a morada indicada no rodapé desta página.
  • Este campo é para efeitos de validação e deve ser mantido inalterado.